28 de junho de 2012

*Todos os direitos reservado ao autor.
A arte tem fome
Come teus rins
Teu espírito
Teu sobrenome
Bebe teu sangue
Digere e vomita
Homens.
José Soares Neto

26 de junho de 2012

TEU


*Todos os direitos reservado ao autor, José Soares Neto
Teu
Sempre fui

Teu nome
Escrevi tantas vezes
Ao lado de existir
Que profundamente pago

Ainda guardo teu perfume

E mesmo com tudo
Mendigo teu amor.
JOSÉ SOARES NETO

21 de junho de 2012

Pastoreio

*Todos os direitos reservado ao autor, José Soares Neto
Pastores
Feito lobos egoístas
Vivem da palavra
E não a palavra

Pastores
Feito ovelhas negras
Carregam a cruz de Assis
E amam.
JOSÉ SOARES NETO

16 de junho de 2012

Poetas, amai-os


A poesia em Hilst
Aponta o dedo em riste
Para os infernos diários

A poesia em Leminski
É simplesmente louca
A gente abre os braços
E a voz fica rouca

A poesia em Neruda
É uma canção desesperada
Um sol no quintal

JOSÉ SOARES NETO

15 de junho de 2012

Mentira

Deserto Frio
Aponta em meu peito
O choro corta a noite
O sonho não alivia
Escrevo na cama
Versos imprecisos
Meu corpo move as palavras
As palavras movem meu corpo
Tomam, bebem...
Confunde-se a luz e a treva
Efeito de mil sonhos desfeitos
Do pranto raspa-se o prato
É vasto o vazio que trago
Quando nada trago.

José Soares Neto

8 de junho de 2012

Resposta ao que ando fazendo


*Todos os direitos reservado ao autor
Ando a fazer poesia
A colorir mais de noite o meu dia
A tecer de arvores minha caligrafia
A ter palavra, som, imagem
A ser imagem, som, palavra.

JOSÉ SOARES NETO